| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Momento UniFIAMFAAM - Semanário Digital
Desde: 06/12/2001      Publicadas: 4183      Atualização: 26/09/2007

Capa |  AGENCIA DE NOTÍCIAS  |  PROFESSORES DO UniFIAM FAAM  |  UniFIAM FAAM DIGITAL


 UniFIAM FAAM DIGITAL

  14/06/2005
  0 comentário(s)


MÍDIA EM CINCO ATOS

Vertentes da comunicação na escola vão desde a divulgação de notícias no mural até a transmissão de programas de rádio

MÍDIA EM CINCO ATOSA tecnologia não é fator limitante ao desenvolvimento de veículos de comunicação com participação de crianças e adolescentes. O essencial é criatividade para mobilizar os alunos em tarefa significativa para eles. Até mesmo revistas e jornais velhos servem de matéria-prima para se incentivar a visão crítica e aumentar a percepção dos alunos sobre a construção subjetiva da realidade. Confira as principais vertentes da comunicação na escola:

Jornal mural - Uma das soluções mais baratas: requer apenas espaço em parede comunitária da escola. Normalmente, utiliza-se um quadro onde podem ser fixados comunicados importantes, notícias, mudanças na organização escolar e outros assuntos. É possível aumentar a participação dos alunos ao se organizar grupos responsáveis pelo conteúdo e a atualização das notícias. Também pode ser um espaço reservado à valorização de produções literárias e outras manifestações criativas, como desenhos.
Jornal estudantil - A produção de um jornal ou revista pelos próprios estudantes é um processo complexo, que envolve todas as disciplinas, além de saberes específicos do jornalismo. Normalmente, um profissional de comunicação faz a ponte entre as idéias e necessidades da comunidade escolar e a linguagem do jornalismo impresso. Periódicos podem ser produzidos com uma simples máquina de fotocópia; para se chegar a uma revista ou jornal, no entanto, é necessária a etapa de produção gráfica. Quando a escola não tem recursos para isso, a mobilização e a parceria com organizações sociais são fundamentais. Livro de história do ano - Recortes de notícias coletadas ao longo de um ano podem ser organizados, com auxílio do educador, e se tornarem um livro. O propósito fundamental é demonstrar, por meio da prática, a construção subjetiva da realidade segundo interesses e pontos de vista determinados. Pode-se comparar os livros feitos por diferentes salas, para que os alunos percebam a diversidade (ou semelhança) de suas percepções. Ou, ainda, contrapor as notícias à leitura histórica dos livros didáticos, embora a proposta não se restrinja à disciplina de história. Site na Internet - A construção de sites vem se tornando mais simples. É provável que todas as escolas tenham entre seus alunos jovens capazes de utilizar ferramentas para desenvolver páginas na internet. Os blogs e comunidades virtuais também surgem como ponto de encontro adicional ao espaço físico do colégio. Trazer o conhecimento dos alunos à tona, oferecer treinamento e aglutinar propostas são desafios para que a escola desenvolva comunicação pela internet. A participação de pais pode ser negociada, respeitando-se a privacidade de todos. Rádio - A agilidade do rádio parece ter achado um habitat ideal em instituições de ensino. O equipamento não é caro e experiências na rede pública se multiplicam pelo Brasil. É preciso, como em todos os exemplos, dominar a sua linguagem técnica e instrumental. Esse veículo, entretanto, é muito presente na vida de crianças e adolescentes. A música é só mais um ingrediente na receita do rádio, que dita e debate padrões de consumo e comportamento. Isso valoriza sua utilização na escola, pelo alto grau de intimidade com a cultura juvenil.

Mídia na escola

Comunicação deve integrar cotidiano escolar, mas encontra resistência de educadores
O trabalho de um mês se transformou em uma fogueira pouco menor do que uma televisão de 14 polegadas. A fornalha foi erguida em local público. Atônitas, muitas testemunhas se indignaram. O incendiário respondeu que não iria titubear em fazer aquilo novamente, caso os erros se repetissem. Esse episódio não ocorreu na Idade Média, durante a Santa Inquisição, tampouco sob algum regime ditatorial em que livros subversivos eram destruídos, e sim no interior do Ceará, há aproximadamente quatro anos. O combustível para a fogueira em questão eram jornais estudantis, produzidos por alunos de escola pública.

O relato é de Renan William de Morais, estudante do 3º ano do ensino médio em Fortaleza (CE). Ele participa da coordenação estadual da Rede de Instituições dos Jornais Estudantis (Redije) - associação autônoma surgida de uma parceria com a ONG Comunicação e Cultura, que viabiliza a publicação de jornais alternativos. O fato narrado se deu em Iguatu (CE) e a publicação incinerada, produzida pelo projeto Clube do Jornal em uma escola pública, chama-se Twister, o Jornal da Década. Quem ateou fogo integrava a diretoria. O episódio remete a uma discussão mundial sobre a relação da escola com a mídia, e seu impacto na formação dos jovens. O espanhol Jesus Martín-Barbero, residente na Colômbia desde 1963, tem dedicado sua obra a relacionar comunicação à educação. Entre seus livros publicados no Brasil, figuram Os Exercícios do Ver (Senac-SP, 184 págs., R$ 32) e Ofício de Cartógrafo (Loyola, 480 págs., R$ 52). A presença dos meios de comunicação de massa na sociedade tem especial impacto sobre os jovens, demonstra ele. Daí a premência (e o enorme potencial) de a escola explorar esses meios. Ensinar os alunos a entender como o mundo se expressa em telas e páginas é essencial para dar valor à identidade cultural deles, prega a obra de Martín-Barbero.

A comunicação também gera ameaça aos poderes instituídos, explica o cientista social e jornalista Fernando Rossetti, coordenador de projetos de educação e comunicação, e diretor executivo do Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (GIFE). Produzir mídia, segundo ele, é a melhor maneira de entendê-la. Embasado nas idéias de Martín-Barbero, ele argumenta que "a informação circula em um esquema de poder muito vertical". A maioria dos jornais ainda é feita pela instituição de ensino, sem participação direta da comunidade escolar. Além de ferramenta paradidática indispensável na atualidade, ensinar a produzir mídia pode ser, de acordo com Rossetti, uma "proposta de horizontalização do modelo de ensino". Ao discutir comunicação com envolvimento dos alunos, ele acredita que se inicia um processo de amadurecimento de toda a comunidade. Pelo fato de interferir nas estruturas de poder, a tendência é que a conscientização pela comunicação se multiplique. "É um cavalo de tróia dentro da rede", compara.

Foi o que aconteceu em Iguatu. O pacote com cerca de dois mil exemplares do jornal estudantil não havia chegado às mãos dos alunos, três dias após a data prevista. O embrulho, segundo Renan, era endereçado pela gráfica aos estudantes. Somente eles, portanto, poderiam abri-lo. Mas os representantes da escola o fizeram, leram e censuraram o material. Puseram fogo nos exemplares ali mesmo, em área aberta do colégio, com estudantes por perto. Os incendiários alegaram indignação com os erros de português. Em cidades pequenas, os jornais têm muita repercussão, inclusive fora da comunidade escolar, lembra Renan. Os membros da diretoria foram taxativos: não permitiriam que "aquilo" circulasse, nem daquela vez, nem enquanto houvesse os erros. Seria ruim para a imagem da escola. Se preciso fosse, as chamas arderiam novamente, ameaçaram. Houve inconformismo dos estudantes. Um grupo do Clube do Jornal de Fortaleza (CE) viajou a Iguatu (CE) para fazer pressão em favor da liberdade de expressão.

Atualmente, uma parceria do clube com o jornal O Povo, de Fortaleza (CE), possibilita aos alunos trocar informações com jornalistas profissionais. Renan admite que, principalmente nos jornais elaborados pelo projeto Primeiras Letras, direcionado ao ensino fundamental, são cometidos erros de português. O Clube do Jornal também enfrentava problemas com a língua em seus textos. Atualmente, porém, uma professora de português faz a correção dos artigos -- o que não deixa de ser um suporte ao ensino do português para os alunos envolvidos, observa Renan. Há exemplos de como a comunicação modifica a rotina de crianças e jovens em todo o Brasil. Mais do que promover uma atividade extra, as escolas se vêem obrigadas, em alguma medida, a trazer os meios de comunicação para a sala de aula. Rossetti utiliza o termo media literacy (alfabetização para a mídia) para classificar essa necessidade. O sociólogo argentino Daniel Raviolo, fundador da Comunicação e Cultura, acredita que, quando a escola compreende a influência dos meios de comunicação, até mesmo sobre a subjetividade das pessoas, há muitas maneiras de atuar.

A urgência em melhorar suas ações de comunicação, inclusive dentro da própria comunidade, já é admitida. A ONG Cidade Escola Aprendiz fez recentemente pesquisa com escolas públicas paulistanas integrantes do programa Expressões Digitais, que trabalha a relação entre educação, comunicação e informática. As instituições foram questionadas sobre seus maiores problemas. Cerca de 90% delas apontaram a comunicação como deficiência mais grave. Desde 1994, experiências na área mudaram a realidade de centenas de escolas do Ceará. Os projetos Primeiras Letras e Clube do Jornal, organizados pela Comunicação e Cultura em parceria com o governo estadual, são desenvolvidos em escolas públicas. Por meio dessas ações, os próprios alunos fazem seus jornais. A prática torna possível enxergar a mídia de outra maneira e ajuda a enfrentar os problemas coletivos.

A aliança entre comunicação e educação é defendida pela professora Maria Aparecida Baccega, da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), como o "caminho para se trabalhar a nova variedade histórica". A professora Cristina Costa, também da ECA-USP, explica o processo no recém-lançado Educação, Imagem e Mídias (Cortez, 200 págs., R$ 28) a partir da premissa de um "ecossistema comunicativo", como proposto por Martín-Barbero.


"A escrita revolucionou os processos de conhecimento, introduzindo novas práticas de refletir, de expressar idéias e de fazer circular informações", afirma Cristina. "Tudo isso fez dessa tecnologia um importante recurso de inserção social e de acesso à cultura." Coube à informática, no entanto, impulsionar novos processos de produção de imagens em todas as áreas. "É nesse cenário que a educação tem que rever seu paradigma letrado e adentrar o campo das imagens e das linguagens tecnológicas", prossegue Cristina. Não apenas para acompanhar a evolução, mas para ajudar a quebrar a barreira que separa a cultura "eurocentrada, iluminista e burguesa, baseada na escrita como forma de produção e controle do conhecimento" de outra, "globalizada, massiva, baseada em múltiplas linguagens e tecnologias de comunicação, dentre as quais se afirmam de forma hegemônica os meios audiovisuais". A superação dessa barreira cultural não é fácil, diz Cristina. Depende de experimentação, em um processo cheio de reveses, porém "firme e definitivo". "Por não depender seu uso de um complexo código de acesso, como o do livro, a televisão expõe as crianças, desde que abrem os olhos, ao mundo antes velado dos adultos", define Martín-Barbero em Os Exercícios do Ver, escrito em parceria com o psicólogo e professor colombiano Germán Rey. Para Maria Aparecida, a televisão precisa deixar de ser encarada com "pretensa intelectualidade", como se fosse "perniciosa". Isso mascara, na sua avaliação, a falta de um trabalho consciente. Ações de formação de educadores para o uso da televisão são realizadas pelo Centro Brasileiro de Mídia para Crianças e Adolescentes (Midiativa). Adriana Fernandes, coordenadora de projetos da ONG, cita que 98% dos lares brasileiros têm televisão e apenas 95%, geladeira. Mesmo assim, lamenta, muitos educadores ainda resistem ao tema por preconceito e não vêem a televisão como forma culta de comunicação. A falta de formação adequada das novas gerações de professores é um empecilho grave, avalia Maria Aparecida, para quem as mudanças na dimensão social da escola exigem equipes multidisciplinares. "Se o estado não quer que continue essa indigência crítica, e aí eu tenho dúvida se não quer mesmo, evidentemente ele tem que socorrer os professores. Educar sempre foi um problema para as classes dominantes." Rossetti responsabiliza também as macropolíticas educacionais e o desmonte de projetos devido à troca de administrações pelo estágio atual dos professores. Ação e reação - "A comunicação é a dimensão crucial da cultura contemporânea", afirma o sociólogo argentino Daniel Raviolo. Radicado no Brasil desde 1987, ele é coordenador-geral da ONG Comunicação e Cultura, cujo trabalho foi reconhecido, em 2004, como de utilidade pública federal pelo Ministério da Justiça. O projeto Clube do Jornal está em 125 escolas da rede de ensino médio do Ceará. O Primeiras Letras foi implantado em 809 escolas cearenses e 19 pernambucanas. "Tenho paixão pela comunicação alternativa", diz.

As instâncias políticas se sentem ameaçadas pelos jornais escolares?

O Clube do Jornal às vezes enfrenta resistências por parte dos núcleos gestores das escolas, que estão pouco habituadas à liberdade de expressão dos alunos. Falar que o banheiro da escola vive sujo pode dar um bafafá... O Primeiras Letras é mais pacífico nesse sentido, mas já houve casos de prefeitos que reagiram iradamente contra escolas que se permitiram publicar informações que contrariavam seus interesses. No contexto político em que vivemos, em muitos aspectos a cidadania é ainda precária. Consideramos inevitáveis essas reações. Nosso trabalho aponta também para uma mudança cultural que nos afaste do autoritarismo. E isso não se consegue da noite para o dia.

De que maneira se dá a compreensão das crianças no Primeira Letras?

Em educação, tudo é processo. Para uma criança das séries inicias, a participação é uma forma de desmistificar a comunicação como um processo do qual seria apenas objeto. "Eu faço jornal!", ele se diz. Já no ensino médio, com o Clube do Jornal, a experiência é plena em termos de vivência das contradições e do próprio poder da comunicação. Porque a produção do jornal, de A a Z, está totalmente nas mãos do grupo juvenil.
Como é feita a capacitação dos professores pela ONG?

O Primeiras Letras capacita apenas um professor por escola, o coordenador pedagógico, para que ele ajude seus colegas a integrar a produção do jornal ao cotidiano da sala de aula. Por meio de métodos mais abrangentes, como concursos, jornal mural e folhas educativas, estimulamos o conjunto dos professores a integrar a visão da comunicação ao trabalho que já realizam. Algo assim como "relate para a comunidade o que você está fazendo", mas utilizando gêneros textuais jornalísticos. Já no Clube do Jornal, capacitamos exclusivamente os jovens, em oficinas temáticas e de jornalismo na escola, e em encontros de intercâmbio de experiências.


  Autor:   (Fonte: Revista Educação, Edição 98 - Faoze Chibli)


  Mais notícias da seção Colaborações no caderno UniFIAM FAAM DIGITAL
20/09/2007 - Colaborações - EDUCAÇÃO COMEÇA NA ESCOLA
Prefeitura quer melhorar a qualidade de vida de crianças e busca parcerias para projeto que aborda questões importantes para a prevenção e tratamento de doenças....
23/05/2007 - Colaborações - SINDICATO DISCUTE PAPEL DE JORNALISTAS NO TERCEIRO SETOR
As inscrições vão até 31 de maio...
17/05/2007 - Colaborações - MÚSICA PARA OUVIR, MÚSICA PARA FALAR
Novo movimento musical atrai jovens em São Paulo...
24/10/2006 - Colaborações - O BRASIL É UM PAÍS DE ANALFABETOS CIENTÍFICOS
Uma resenha crítica sobre o artigo O papel educador do Jornalismo Científico, de Laura Barcha...
18/10/2006 - Colaborações - CRÔNICAS DESCONHECIDAS
Mel Bose escreve para o Momento online...
18/10/2006 - Colaborações - TRINTA POR DEZ
Que fazer com essas crianças que são obrigadas a crescer mais cedo?...
08/06/2006 - Colaborações - SÃO PAULO E EU
Conto de Regina Miranda*...
29/03/2006 - Colaborações - DEZ DICAS SOBRE TEXTO
Tá com dificuldade em escrever? Então vamos lá......
01/03/2006 - Colaborações - A MISSÃO DO MESTRE
O professor de hoje não é o sábio de antigamente....
09/12/2005 - Colaborações - MEIO HOMER, MEIO LINEU
Sobre a necessidade de ser claro ...
11/11/2005 - Colaborações - TÁ RESOLVIDO O PROBLEMA
Crônica do Professor Edgard...
07/11/2005 - Colaborações - CRÔNICA DO PROFESSOR EDGARD
E quem disse que um passarinho não pode mudar nosso mundo...
19/10/2005 - Colaborações - PAGANDO PRA VER
Crônica do Prof. Edgard...
19/10/2005 - Colaborações - "THE RIGHT TO BEAR ARMS"
Aluno opina sobre o SIM e o NÃO do referendo...
11/10/2005 - Colaborações - OS BRUXOS DA MINHA VIDA: "A REALIDADE É APENAS UMA OPINIÃO"
Com Timothy Leary, aprendi muita coisa a partir de uma frase que ele gostava muito: a realidade não passa de uma opinião, dizia. Leary achava que viver é surfar o caos: não podemos modificá-lo, mas podemos surfá-lo ...
03/10/2005 - Colaborações - UMA NOVA ONDA DE DESCULPAS
A desculpa já pronta: "Eu não sabia disso, isso não chegava até mim, quem cuidava disso eram responsáveis subalternos, etc"...
22/09/2005 - Colaborações - COM QUEM VOCÊ PENSA QUE ESTÁ FALANDO?
Crônica do Prof. Edgard de Oliveira Barros...
15/09/2005 - Colaborações - RODA GIGANTE GIRA
Mais uma crônica do Prof. Edgard......
07/09/2005 - Colaborações - O SANTO DIÁRIO
A internet virou um grande inconsciente coletivo. Está tudo lá. Até o famoso meu caro diário ficou transparente, numa época em que tanta transparência se prega, com exceção é claro daquela a tratar das relações e negócios do governo...
01/09/2005 - Colaborações - O MELHOR ESTÁ POR VIR
Chico Buarque disse essa semana que o país estava com a alma doente porque Lula está morrendo. Lula está morrendo porque, à sua maneira, vem fazendo extemporaneamente o que Chico Buarque fazia há 30 anos: fala por metáforas e parábolas. É o presidente parabólico...
24/08/2005 - Colaborações - O FUTURO DOS JORNAIS
Como se preparar para a mídia do "eu" ...
24/08/2005 - Colaborações - GUAIACA BONITA, COMPANHEIRO!
Crônica do Edgard......
09/08/2005 - Colaborações -
Quem de nós poderia imaginar que, mesmo dispondo de televisão ou pelo menos rádio, um(a) trabalhador (a) em grande empresa ou seu dependente não saiba o que significa "o dobro"?...
14/06/2005 - Colaborações - VEJA, PF E KROLL
Claudio Julio Tognolli (*) ...
17/05/2005 - Colaborações - A INSUPORTÁVEL LEVEZA DO SIMPLES
Professor: procure ministrar uma aula melhor, mais criativa e... simples. Isso mesmo, muitas vezes é o que nos falta para alcançar a compreensão completa do conteúdo pelos alunos. A simplicidade criativa estimula o entendimento....
17/05/2005 - Colaborações - TAUTOLOGIA: REPETIÇÕES VICIADAS
As armadilhas da língua portuguesa!...
18/04/2005 - Colaborações - PENSAR DÓI?
Quando começamos a pensar, a refletir, deixamos de ser uma manada de bovinos resignados e passamos a agir como gente que tem vontades....
06/04/2005 - Colaborações - É PRECISO APRENDER COM AS BOAS REPORTAGENS
Pela primeira vez na história da diplomacia brasileira, alguém da ilustre casa foi condenado por práticas de corrupção ...
16/12/2004 - Colaborações - JORNALISMO CIENTÍFICO
Uma crescente modalidade no jornalismo que causa interesse, mas enfrenta dificuldades....



Capa |  AGENCIA DE NOTÍCIAS  |  PROFESSORES DO UniFIAM FAAM  |  UniFIAM FAAM DIGITAL
Busca em

  
4183 Notícias