| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Momento UniFIAMFAAM - Semanário Digital
Desde: 06/12/2001      Publicadas: 4183      Atualização: 26/09/2007

Capa |  AGENCIA DE NOTÍCIAS  |  PROFESSORES DO UniFIAM FAAM  |  UniFIAM FAAM DIGITAL


 UniFIAM FAAM DIGITAL

  06/12/2006
  0 comentário(s)


DIPLOMA DE JORNALISTA

Agora, para emoldurar e expor

DIPLOMA DE JORNALISTA Em 1969, quando entrei para a Faculdade de Comunicação da Universidade Federal Fluminense, em Niterói (RJ), sob a égide recente do AI-5, fui buscar ordenar o que já tinha de sobra: o gosto pela informação, principalmente a escrita, mas sabia que algo mais profundo, de cunho científico, devia estar por trás da missão de se fazer entender. Ao mesmo tempo, o Brasil daqueles dias me fazia questionar tudo, duvidar de tudo, desconfiar de cada professor, e ser criteriosa na escolha dos novos amigos de profissão. Diria hoje que "me dei bem" porque tive a sorte de encontrar gente responsável, sintonizada com as ânsias de um país oprimido. Aí, começou a novela. Até este ano, segundo a lei, quem exercesse a profissão poderia requerer ao Ministério do Trabalho seu registro profissional, sem precisar correr atrás do diploma. Esbarrei com dezenas, depois centenas, de ótimos profissionais da área, seja em redação, rádio, televisão, diagramação e fotografia, que eram advogados de origem ou tinham estudado Filosofia, Letras, cursos técnicos " lembro-me de um ex-médico que virou jornalista por vocação " e tantos outros. Não há como desmerecer esse contingente que esbanja gosto pelas palavras e respeito pelo seu conteúdo. Informação direcionada Mas nossa turma vitoriosa, diria eu, depois de um ano estudando Português, Inglês, Geografia, História etc., uniu-se em peregrinação para buscar profissionais capazes de nos passar os segredos da ciência da comunicação, emergente nas teorias das universidades européias e americanas, e, literalmente, em comissão, convencemos figuras do porte de Nilson Lage, Escobar, Muniz Sodré, entre muitos, a atravessar a Baía de Guanabara, de barca, e ir, nas noites cariocas, nos despertar o gosto pela pesquisa direcionada. Assim, eles nos abriram os olhos e as almas para uma verdade absolutamente moderna, elevando-nos à categoria dos novos jornalistas conscientes do mecanismo programável de se formar opinião pública com o teor aparentemente mágico e inconseqüente da manipulação dos barões da notícia, dos donos dos veículos, da força avassaladora da publicidade, do domínio crescente dos grupos e redes de comunicação que se formavam não só no Brasil, mas em todo os cantos do mundo, dos quais, as massas não teriam como escapar, exercendo quase o papel de rebanhos de gado conduzido a idéias massificadas trabalhadas nos porões das fábricas de notícias. Saímos da universidade, em 1973, com esse novo estigma. Éramos uma das primeiras turmas de jornalistas formados por uma faculdade de Comunicação Social. Enfrentaríamos o corporativismo dos patrões, e ainda, encararíamos o preconceito de muitos profissionais românticos que se julgavam onipotentes da arte de informar, pouco se auto-identificando com a dureza de fazer o papel de disseminadores das propostas dominantes pelo mercado da comunicação. Sim, trazíamos a reflexão da universidade, que nos ateou o fogo do conhecimento instigador. Entramos no jogo para valer. Minha geração constitui-se de companheiros que, em sua maioria, briga por um lugar ao sol e defende os cursos formadores de profissionais gabaritados não em técnicas profissionalizantes, para serem operários das fábricas de informação direcionada, mas, sim, atores conscientes no teatro produzido para entreter ou anestesiar a opinião pública inconsciente. Comandantes de cabeças Quando, em 1975, concomitantemente com o exercício profissional, cursando também na UFRJ o mestrado em Comunicação, comecei a lecionar em universidade, pude sentir, na pele e na alma, a importância de despertar na meninada exatamente isso, a consciência do processo todo. Costumava contar a piadinha na primeira aula sobre o "bom" jornalista aos olhos do mercado, que no seu primeiro dia de trabalho, ao ser cobrado por uma reportagem sobre Jesus Cristo, perguntou ao chefe: "Escrevo contra ou a favor?" Com essa figuração grotesca, eu tentei sempre desmistificar, na garotada, de saída, a idéia adolescente de que o jornalista é um pequeno "deus da palavra", por ser ele, na engrenagem insólita do quadro informativo industrial, tão somente um operário a serviço dos interesses dos fabricantes, na verdade. A indústria deseja operários qualificados, mas não os deseja questionadores do processo cruel, que sejam capazes de modificar o produto que serve não só aos fabricantes, mas aos patrocinadores, que podem estar nos poderes aliados à mídia, certamente, na seara do domínio político ou no feudo dos que se julgam eternos comandantes das cabeças alheias. Rebanhos aos pastos Na área pública, trabalhei como assessora de comunicação, nas áreas da municipalidade carioca, como urbanismo, educação e saúde, além do gabinete. do prefeito, também atendi a Câmara Municipal, o Tribunal Regional Eleitoral e a Mútua dos Magistrados, mas considerei sempre a importância da formação acadêmica para a percepção do trabalho responsável de divulgar o setor público entre os veículos em geral. Respeito as opiniões contrárias, mas me cabe defender o diploma, por considerações que considero pertinentes. Extinguir a necessidade do diploma de bacharel em Comunicação Social, especialidade em Jornalismo, não chega a ser uma novidade, pois sabemos que em muitos países ele não é exigido. Mas, nesses lugares de referência, geralmente, os poderes são exercidos em condições culturais em que as pessoas conseguem viver a liberdade de escolha dos seus canais de televisão, têm poder aquisitivo para ler um leque de mídia impressa, cujas manchetes não camuflam pendores ideológicos, e mostram a cara, não escondem os interesses, são o que são, em regimes abertos, claros, com leitores e espectadores de nível de escolaridade suficiente para decisão avaliada. Mas, aqui, senhores, me vejo no meio de uma novela cujo ibope aponta para a mudança do próximo capítulo de acordo com o índice de vendagem do principal anunciante. Em horário nobre, preciso dizer aos meus dois sobrinhos, de 20 e 21 anos, que estão cursando atualmente Jornalismo, a quem recentemente ajudei em pesquisa sobre McLuhan, que não se preocupem com a reflexão, mas que dominem apenas as técnicas para que sejam "operários" com padrão de qualidade a serviço dos ditames das grandes redes, porque o que importa mesmo, parece, não é o crescimento do nível de informação dos públicos, mas sim, a condução dos rebanhos aos pastos onde ruminem suas vidas sem incomodar o nível de lucro dos "criadores" desse alimento enlatado chamado "comunicação". Que se preparem para serem os melhores serviçais dos reis do gado do jornalismo. Quanto ao meu diploma, em pergaminho, vou emoldurar e expor, porque será elevado à categoria de peça de museu, finalmente. Fonte: Por Aparecida Torneros, Observatório da Imprensa



  Mais notícias da seção Mercado de Trabalho no caderno UniFIAM FAAM DIGITAL
26/09/2007 - Mercado de Trabalho - OPORTUNIDADE DE ESTÁGIO
Inscrição para o programa de trainees da Camargo Corrêa vai até 15/10 ...
29/08/2007 - Mercado de Trabalho - ESTÁGIO NA FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL - SP
Oportunidades para estudantes...
15/08/2007 - Mercado de Trabalho - JORNALISTA É UM NARRADOR DE HISTÓRIAS REAIS
Brasil possui 334 cursos superiores de jornalismo, 93 deles no Estado de São Paulo. Grade de disciplinas muda de acordo com as novas tecnologias ...
03/06/2007 - Mercado de Trabalho - CHANCE ACADÊMICA
Governo vai abrir 20 mil vagas em cinco anos para cargo de professor universitário...
02/05/2007 - Mercado de Trabalho - TV CBN ENTRA NO AR
Futuramente inserções publicitárias devem ganhar imagens na web...
02/05/2007 - Mercado de Trabalho - ESTAGIÁRIOS PODEM TER DIREITO A FÉRIAS, SEGUNDO NOVO PROJETO DE LEI
Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) prevê nova regulamentação para estágios...
25/04/2007 - Mercado de Trabalho - PROFISSIONAL NÃO GANHA POR REPUBLICAÇÃO DE REPORTAGENS
Trata-se de notícia, e não de obra literária, artística ou científica....
17/04/2007 - Mercado de Trabalho - BANQUEIROS X BANCÁRIOS: DO LUXO AO LIXO
Valor Adicional gera mal-estar entre empregado e empregador....
11/04/2007 - Mercado de Trabalho - PROFISSÃO ESCOLADA
Supremo decidirá se jornalista precisa de diploma ...
27/03/2007 - Mercado de Trabalho - JOVENS ESBARRAM EM EXIGÊNCIAS PARA TRABALHAR
Desemprego é crescente entre novatos, que "travam" na falta de experiência e qualificação ...
20/03/2007 - Mercado de Trabalho - PROGRAMAS DE ESTÁGIO - POR DENTRO DO MUNDO DOS ESTÁGIOS
Os melhores programas pós-faculdades...
17/12/2006 - Mercado de Trabalho - SELEÇÃO DE PROFISSIONAL EM COMUNICAÇÃO
Oportunidade para especializados em saúde...
12/12/2006 - Mercado de Trabalho - CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA ABRE DUAS VAGAS EM BRASÍLIA
Oportunidade para quem trabalha com jornalismo e saúde...
20/11/2006 - Mercado de Trabalho - JOVENS CHEGAM AO MERCADO DE TRABALHO SEM QUALIFICAÇÃO
Da população de 15 a 25 anos, 37% não completaram nem o ensino fundamental. Dos jovens que não concluíram o ensino, 23% já deixaram estudo; mercado exclui quem tem menos de oito anos de escolaridade ...
20/11/2006 - Mercado de Trabalho - DRT EMITE REGISTRO PARA RECÉM-FORMADO
O registro provisório tem validade de um ano, prazo dado para a apresentação do diploma....
30/10/2006 - Mercado de Trabalho - MERCADO E FORMAÇÃO EM JORNALISMO CIENTÍFICO
As Universidades e a mídia do país precisam se preocupar com a melhoria da capacitação dos jornalistas que desejam atuar na área de ciência...
12/09/2006 - Mercado de Trabalho - QUAL É A HORA CERTA PARA CURSAR UM MBA?
As ofertas são muitas, mas nem sempre esse é o melhor curso para você ...
01/09/2006 - Mercado de Trabalho - JORNAIS REAGEM E CIRCULAÇÃO AUMENTA
Estudo da Associação Mundial de Jornais mostra que circulação e receita crescem, mas participação nas verbas de publicidade diminuem...
16/08/2006 - Mercado de Trabalho - O ESTAGIÁRIO IDEAL
Saiba como as suas características interferem na disputa por uma vaga ...
09/08/2006 - Mercado de Trabalho - FORTMAÇÃO ACADÊMICA NÃO ASSEGURA EMPREGO E SALÁRIO
Nunca o mercado esteve tão fechado como nos últimos anos. ...
21/06/2006 - Mercado de Trabalho - A IMPORTÂNCIA DO CURRÍCULO
Um currículo pode definir se você será ou não contratado....
08/05/2006 - Mercado de Trabalho - ESTUDANTE GANHA DIREITO A PISO PROFISSIONAL
Não é lícito ao empregador deixar de efetuar o pagamento do salário profissional ao empregado contratado para exercer as atribuições de jornalista, sob a exclusiva alegação de não possuir o trabalhador formação acadêmica específica ...
06/04/2006 - Mercado de Trabalho - 46,3% DOS JOVENS ESTÃO DESEMPREGADOS
Do total de pessoas à procura de um emprego, 20,3% buscam sua primeira oportunidade de trabalho....
06/04/2006 - Mercado de Trabalho - ASSESSORES X JORNALISTAS
O conflito entre jornalismo de redação e assessoria de imprensa está presente no dia-a-dia da profissão. Conheça o que pensam dois profissionais com essa experiência...
29/03/2006 - Mercado de Trabalho - ESCOLHENDO CERTO
Pesquisas realizadas confirmam que muitos alunos do ensino superior acabam alterando ou desistindo de sua escolha profissional....
22/03/2006 - Mercado de Trabalho - O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DA COMUNICAÇÃO
Jornalista, relações-públicas ou publicitário?...
01/03/2006 - Mercado de Trabalho - DE ESTUDANTE A PROFISSIONAL
Dicas para entrar com o pé direito no mercado de trabalho ...
07/02/2006 - Mercado de Trabalho - COMECE A VIDA PROFISSIONAL SEM ARROGÂNCIA
Confira algumas atitudes importantes para quem pretende continuar empregado....



Capa |  AGENCIA DE NOTÍCIAS  |  PROFESSORES DO UniFIAM FAAM  |  UniFIAM FAAM DIGITAL
Busca em

  
4183 Notícias