| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Momento UniFIAMFAAM - Semanário Digital
Desde: 06/12/2001      Publicadas: 4183      Atualização: 26/09/2007

Capa |  AGENCIA DE NOTÍCIAS  |  PROFESSORES DO UniFIAM FAAM  |  UniFIAM FAAM DIGITAL


 UniFIAM FAAM DIGITAL

  10/06/2007
  1 comentário(s)


COM UM CARTAZ NA CABEÇA

Crônica do Prof. Edgard

COM UM CARTAZ NA CABEÇA


Não parece, não parece, mas esse dia-a-dia da vida, essa música no ar, a arte que se vê, o cheiro que se sente, a chuva, um néon num anúncio solto no horizonte, miradas, olhares, um pato, um ganso, um nada, sem sentido e sem sentir essas coisas que vão entrando na gente acabam ocupando pedaços enormes nos cantões da memória.

Neste exato momento, por exemplo, me vem à cabeça uma das cenas mais pungentes, mais lindas e ao mesmo tempo mais melancólicas que já vi no cinema. Lembro bem, era um "filme de guerra", como a gente chamava no meu tempo. Mostrava um Japão estraçalhado depois da bomba. Mas, o que sobrou era um lindo jardim, um gramado incrivelmente bem cuidado.

Nenhum personagem. Exatamente para mostrar que a bomba havia devastado e arrasado tudo.
A câmera caminhava à frente para capturar um detalhe sutil no meio do verde grama. Era uma placa onde algum jardineiro, certamente tão poeta e tão triste quanto irônico havia escrito: "Não adianta pedir que não pisem na grama. O vento não sabe ler".

Silêncio profundo, solidão total. O vento não sabe ler. Estou marcado pela cena e pelo conceito que invadiu a minha relativa eternidade: o vento não sabe ler. Aí, é dia ou é noite quando eu percebo que o meu povo é como o vento e também não sabe ler.

Pior é que não se trata de um simples "não sabe ler". Parece ser mais um "não quero ler".
Pior, dá mostras de que se trata de um: "não quero saber de ler". Se eu pudesse dizer mais, pleonásticamente diria o pior dos piores: um "não quero nem saber". Me parece tudo isso. E eu, carrego cena tão cruel de um país devastado com um gramado tão lindo, alertando para os seus mortos: o vento não sabe ler.

Que pena. Que triste. Que melancolia me dá ver o meu povo como que escrevendo num simples e diminuto cartaz um: "não quero ler nem saber". Provavelmente você não viu o filme que eu vi. E, por certo, longe do tempo, longe da emoção que senti, vai me achar um louco escrevendo
bobagens contidas no fundo da alma.

Você tem toda razão, sou um louco, perdi o sizo e o juízo. Só que eu vejo as coisas acontecendo, ações sem reações e me sinto abalado e constrangido. No mesmo Japão ainda agorinha citado, políticos ou representantes do povo suicidam diante da mais leve insinuação de um simples deslize na vida. Aconteceu recentemente. Nem se investigou, nem se chegou ao fim ou ao começo de seu eventual mau passo e o autor se matou.

No mesmo Japão as autoridades usam o seu próprio carro para ir ao trabalho. Ou vão de ônibus, trem ou metrô. Sem motoristas particulares. Nos Estados Unidos, um presidente importante saiu
marcado porque mentiu sobre uma relação amorosa extra-conjugal. Não pela relação em si, mas pelo fato de ter dito que não tinha feito o que tinha feito e, afinal, nem tinha feito tudo o que muitos diziam que tinha feito.

Na Hungria, o povo se revoltou porque um político ganhou as eleições prometendo mundos e fundos e, depois de eleito, disse também que havia mentido. Foi um quebra-quebra dos diabos.
Na Argentina, o povo não se cansa de ir às ruas para protestar contra o que considera irregular. Já derrubou e colocou na cadeia alguns de seus ex-presidentes.

Os países são outros, os exemplos são muitos, os povos lêem porque querem saber. Minha loucura atual é formar uma cruzada nacional em busca de uma fórmula concreta de ensinar o vento a ler.
Pelo menos o vento há de querer aprender.

Prof. Edgard de Oliveira Barros



  Mais notícias da seção Gente que escreve no caderno UniFIAM FAAM DIGITAL
26/09/2007 - Gente que escreve - PAGANDO FAVORES
Crônica do Prof. Edgard...
26/09/2007 - Gente que escreve - UMA VIDA DANTESCA
A força de vontade de Cassiano Oliveira, catador de entulhos que encontrou no lixo uma forma de sobreviver e escapar do inferno...
26/09/2007 - Gente que escreve - FIDELIDADE ÀS RAÍZES E ORIGENS
A dedicação e preocupação de Leonardo Mendonça com o meio ambiente fizeram com que o filho de fazendeiro pagasse as pessoas para que plantassem árvores....
20/09/2007 - Gente que escreve - MEMÓRIAS DA PRAIA
Crônica do Prof. Edgard...
20/09/2007 - Gente que escreve - ELE QUERIA MUDAR O MUNDO
Caio Queiroz, o jovem empresário que tirou boas idéias do lixo...
20/09/2007 - Gente que escreve - O GUARDIÃO DA FLORESTA
Amor à natureza fez Marcio Mônaco se tornar um agrônomo ...
12/09/2007 - Gente que escreve - UMA QUESTÃO DE PRAZOS
Crônica do Prof. Edgard...
04/09/2007 - Gente que escreve - VINGANDO AS FLORES
Crônica do Prof. Edgard...
29/08/2007 - Gente que escreve - GENTE DE VALOR
Crônica do Prof. Edgard...
23/08/2007 - Gente que escreve - UM COMPUTADOR ALOPRADO
Crônica do Prof. Edgard...
15/08/2007 - Gente que escreve - UM PEIXE FRITO
Crônica do Prof. Edgard...
08/08/2007 - Gente que escreve - FAZER NADA TAMBÉM É ARTE
Crônica do Prof. Edgard...
02/08/2007 - Gente que escreve - QUESTÃO DE MOMENTO
Crônica do Prof. Edgard...
17/06/2007 - Gente que escreve - SOSSEGADO
Crônica do Prof. Edgard...
17/06/2007 - Gente que escreve - UMA HISTÓRIA AO ACASO
Crônica do Prof. Edgard...
03/06/2007 - Gente que escreve - O PALAVRÃO EM POUCAS PALAVRAS
Crônica do Prof. Edgard...
29/05/2007 - Gente que escreve - DE CRISTA CAÍDA
Crônica do Prof. Edgard...
23/05/2007 - Gente que escreve - O RISCO DOS RISCOS
Crônica do Prof. Edgard...
17/05/2007 - Gente que escreve - A FALTA QUE UM "GROOVING" FAZ
Crônica do Prof. Edgard...
02/05/2007 - Gente que escreve - É BEM PELO MEIO
Crônica do Prof. Edgard...
25/04/2007 - Gente que escreve - PARECIA A VIDA
Crônica do Prof. Edgard...
25/04/2007 - Gente que escreve - A DANÇA DAS CADEIRAS
Cadeirante e dançarina, com muita força de vontade...
18/04/2007 - Gente que escreve - MEIO DO CAMINHO
Crônica do Prof. Edgard...
17/04/2007 - Gente que escreve - EM CASA DE FERREIRO, O ESPETO É DE PAU
Já faz quase dois meses que a concessionária Carrera sofre com o sumiço de instrumentos de trabalho. Quem acaba atingido são os clientes....
11/04/2007 - Gente que escreve - COISAS DE AMIGO
Crônica do Prof. Edgard...
03/04/2007 - Gente que escreve - CONFORME SE VIU NA TV - VERSÃO DOIS
Crônica do Prof. Edgard...
27/03/2007 - Gente que escreve - CONFORME O QUE SE VIU NA TV
Crônica do Prof. Edgard...
20/03/2007 - Gente que escreve - TIROTEIO NAS REDAÇÕES
Caiu o tabu: jornalista agora processa jornalista...
17/12/2006 - Gente que escreve - UM ÚLTIMO PEDIDO
Crônica do Prof. Edgard...
12/12/2006 - Gente que escreve - MANTENHA SEGREDO
Crônica do Prof. Edgard...



Capa |  AGENCIA DE NOTÍCIAS  |  PROFESSORES DO UniFIAM FAAM  |  UniFIAM FAAM DIGITAL
Busca em

  
4183 Notícias